Pesquisar este blog

Instagram

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

Sementes de Fé - 30/11/2018 - A Santidade


"A santidade é o rosto mais belo da Igreja" Papa Francisco
"A santidade é muito simples, é entregar-se confiante e amorosamente nos braços de Deus, querendo e fazendo o que cremos que Ele quer." Beata Maravilhas de Jesus

Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Sementes de Fé - 29/11/2018


"Sede sempre alegre no serviço de Deus. Dai sempre tudo a Deus. Repousai tranquilamente em sua bondade."
São Pedro Julião Eymard
"A missão do cristão é testemunhar com alegria e humildade o Evangelho"
Papa Francisco


Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Menino argentino rouba a cena em Audiência Geral


O menino tem autismo e não sabe falar, mas conquistou o Papa e os fiéis com a sua vivacidade e espontaniedade.

Fonte: Vatican News

Sementes de Fé - 28/11/2018

"Se você acredita no que lhe agrada nos Evangelhos e rejeita o que não gosta, não é nos Evangelhos que você crê, mas em você mesmo." Santo Agostinho

Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil

terça-feira, 27 de novembro de 2018

Sementes de Fé - 27/11/2018 - Catecismo da Igreja

O mundo foi criado para a glória de Deus

"As coisas criadas trazem todas o selo divino de seu Autor: são degraus pelos quais hei de subir a Deus."
Serva de Deus, Madre Maria José de Jesus



Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil

7 detalhes do significado da Medalha Milagrosa que você precisa conhecer



REDAÇÃO CENTRAL, 27 Nov. 18 / 05:00 am (ACI).- A Virgem da Medalha Milagrosa, cuja festa é celebrada neste 27 de novembro, pediu a Santa Catarina Labouré que fizesse uma Medalha igual a que ela viu no momento da aparição. Ela fez esta medalha e Deus realizou muitos milagres e alcançou muitas graças aos que a utilizam. Mas, o que indicam os símbolos que aparecem na Medalha e qual é a sua mensagem?

1. Triunfa sobre Satanás

Na frente da Medalha Milagrosa, aparece a Virgem Maria esmagando a cabeça da serpente que está sobre o mundo: Ela, a Imaculada, tem todo poder em virtude de sua graça para triunfar sobre Satanás.

2. Evoca o Apocalipse

As doze estrelas da cabeça de Maria e a cor de seu manto mostram a mulher vestida de sol, do Livro do Apocalipse.

3. Raios das graças

Suas mãos estendidas, transmitindo raios de graça são sinal de sua missão de Mãe e Medianeira das graças que derrama sobre o mundo e a quem lhes peça.

4. Sinal da Imaculada

A famosa inscrição "Oh Maria" afirma a Imaculada Conceição da Virgem, manifestada a Santa Catarina nesta aparição em 27 de novembro de 1830, muito antes do dogma ser proclamado em 1854. Do mesmo modo, indica a missão de intercessão da Mãe de Deus, a quem podemos procurar com confiança.

5. A realeza de Maria

O globo, que representa a terra, está sob os pés da Virgem Maria, porque Ela é a rainha do céu e da Terra.

6. Mãe do crucificado

Na parte de trás da Medalha está a letra "M", símbolo de Maria e da sua maternidade espiritual. A cruz é o mistério da redenção e sustenta a letra "Yota" do alfabeto grego ou a "I", que é um monograma do nome "Jesus". Tudo isso simboliza a Mãe de Cristo crucificado.

7. A Igreja com os Corações Sagrados

As doze estrelas são um símbolo da Igreja que Cristo fundou nos Apóstolos. Enquanto os Sagrados Corações de Jesus e Maria se referem à devoção que os cristãos devem ter a ambos os corações.

Fonte: https://www.acidigital.https://www.acidigital.com/noticias/7-detalhes-do-significado-da-medalha-milagrosa-que-voce-precisa-conhecer-58124

Hoje é celebrada Nossa Senhora das Graças, a Virgem da Medalha Milagrosa


REDAÇÃO CENTRAL, 27 Nov. 18 / 04:00 am (ACI).- “Fazei cunhar uma medalha conforme este modelo. Todos os que a usarem, trazendo-a ao pescoço, receberão grandes graças. Estas serão abundantes para aqueles que a usarem com confiança”, disse Nossa Senhora a Santa Catarina Labouré, no dia 27 de novembro de 1830.

Foi nesse ano de 1830 que a Virgem Maria apareceu para a Irmã Catarina Labouré, da Congregação das Filhas da Caridade, primeiramente na noite de 18 de junho. Um anjo despertou a religiosa e a conduziu até a capela, onde encontrou a Mãe de Deus e conversou com ela por mais de duas horas, ao final da qual Maria lhe disse: “Voltarei, minha filha, porque tenho uma missão para te confiar”.

No dia 27 de novembro do mesmo ano, a Santíssima Virgem voltou a aparecer para Catarina. A Mãe de Deus estava com uma veste branca e manto azul. Conforme relatou a religiosa, era de uma “beleza indizível”. Os pés estavam sobre um globo branco e esmagavam uma serpente.

Suas mãos, à altura do coração, seguravam um pequeno globo de ouro, coroado com uma pequena cruz. Levava nos dedos anéis com pedras preciosas que brilhavam e iluminavam em toda direção.

A Virgem olhou para Santa Catarina e lhe disse: “O globo que vês representa o mundo inteiro, especialmente a França e cada alma em particular. Estes raios são o símbolo das graças que Eu derramo sobre as pessoas que me pedem. As pérolas que não emitem raios são as graças das almas que não pedem”.

O globo de ouro que a Virgem Maria estava segurando se desvaneceu e seus braços se estenderam abertos, enquanto os raios de luz continuavam caindo sobre o globo branco dos pés.

Nesse momento, formou-se um quadro oval em torno de Nossa Senhora, com as seguintes palavras em letras douradas: “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós”.

Então, Maria pediu que Catarina mandasse cunhar a medalha, segundo o que estava vendo.

A aparição girou e no reverso estava a letra “M” encimada por uma cruz que tinha uma barra em sua base, a qual atravessava a letra. Embaixo figurava o coração de Jesus, circuncidado com uma coroa de espinhos, e o coração de Nossa Senhora, transpassado por uma espada. Ao redor havia doze estrelas.

A manifestação voltou a acontecer por volta do final de dezembro de 1830 e princípio de janeiro de 1831.

Em 1832, o Bispo de Paris autorizou a cunhagem da medalha e assim se espalhou pelo mundo inteiro. Inicialmente a medalha era chamada “da Imaculada Conceição”, mas quando a devoção se expandiu e se produziram muitos milagres, foi chamada “Medalha Milagrosa”, como é conhecida até nossos dias.

Para celebrar este dia em que recordamos Nossa Senhora das Graças, confira a seguir a oração para pedir o auxílio da Virgem:

Lembrai-vos, ó puríssima Virgem Maria, do poder ilimitado que vos deu o vosso divino Filho sobre o seu coração adorável. Cheio de confiança na vossa intercessão, venho implorar o vosso auxílio. Tendes em vossas mãos a fonte de todas as graças que brotam do Coração amantíssimo de Jesus Cristo; abri-a em meu favor, concedendo-me a graça que ardentemente vos peço. Não quero ser o único por vós rejeitado; sois minha Mãe, sois a soberana do coração de vosso divino Filho.

Sim, ó virgem santa, não esqueçais as tristezas desta terra; lançai um olhar de vontade aos que estão no sofrimento, aos que não cessam de provar o cálice das amarguras da vida. Tende piedade dos que se amam e que estão separados pela discórdia, pela doença, pelo cárcere, pelo exílio ou pela morte. Tende piedade dos que choram dos que suplicam e dai a todos o conforto, a esperança e a paz! Atendei, pois, à minha humilde súplica e alcançai-me as graças que agora fervorosamente vos peço por intermédio de vossa santa Medalha Milagrosa!

Amém.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/hoje-e-celebrada-nossa-senhora-das-gracas-a-virgem-da-medalha-milagrosa-60208

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

Sementes de Fé - 23/11/2018 - Somos Sal da Terra

"Somos chamados a ser sal da terra e luz do mundo na vida cotidiana."
Papa Francisco

"Como sal da terra, sois chamados a conservar a fé que recebestes e a transmiti-la intacta aos outros"
São João Paulo II

Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil


quinta-feira, 22 de novembro de 2018

Sementes de Fé - 22/11/2018

"Pela Fé, entra-se na amizade com o Senhor; pela caridade, vive-se e cultiva-se está amizade."
Papa Emérito Bento XVI


Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil

quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Sementes de Fé - 21/11/2018

"Deus tem desígnios que nem sempre compreendemos, mas que devemos adorar."
Beata Elizabete da Trindade


Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil

Marcha pela vida - 2 de Dezembro




terça-feira, 20 de novembro de 2018

Quem é o Anticristo?

Fonte Canção Nova

Quais são as características do Anticristo?

Catecismo da Igreja Católica, com base em textos escriturísticos, afirma que: “antes da vinda de Cristo, a Igreja deverá passar por uma prova final, que abalará a fé de numerosos crentes (cf. Lc 18, 8; Mt 24, 12). A perseguição, que acompanha a sua peregrinação na Terra (cf. Lc 21, 12; Jo 15, 19-20), porá a descoberto o ‘mistério da iniquidade’, sob a forma duma impostura religiosa, que trará aos homens uma solução aparente para os seus problemas, à custa da apostasia da verdade. A suprema impostura religiosa é a do Anticristo, isto é, dum pseudomessianismo em que o homem se glorifica a si mesmo, substituindo-se a Deus e ao Messias Encarnado (cf. 2 Ts 2, 4-12; 1 Ts 5. 2-3; 2 Jo 7; 1 Jo 2, 18.22)” (Catecismo da Igreja Católica, 675).
Apesar de não encontrarmos, de maneira específica no texto, qual é a prova final pela qual a Igrejadeverá passar, existe um aceno referente à perseguição, impostura religiosa e a negação da verdade. E, essas, são características do que se denomina “Anticristo”.
São Paulo, ao escrever aos Tessalonicenses, em sua segunda carta, tenta desfazer alguns mal-entendidos em relação à segunda vinda de Cristo. Ele usa de linguagem simbólica para explicar o que deve acontecer antes da Parusia, a segunda vinda de Cristo. E, nessas explicações, além de convidar cada um deles a procurar viver sem desespero, ele os acalma, porque uma falsa carta gerou medo entre eles.

O Anticristo é aquele que nega o Cristo e ignora a verdade (1Jo 2, 21-23)

A interpretação que eles fizeram era de que Jesus voltaria praticamente naqueles instantes. Diante disso, muitos tiveram reações diversas e afrouxaram nas atividades do dia a dia, como se não valesse mais a pena (cf. 2Ts 2,1-7). Ele chegou ao ponto de dizer: “temos ouvido fala que, entre vós, há alguns vivendo desordenadamente, sem fazer nada, mas intrometendo-se em tudo. A essas pessoas ordenamos que trabalhem tranquilamente e, assim, comam o seu próprio pão. E vós mesmos, irmãos, não vos canseis de fazer o bem” (2Ts 3,11-13).
Enfim, em toda essa explicação, ele fala de um certo “Iníquo, que o Senhor Jesus matará com o sopro de sua boca e destruirá com a manifestação da sua vinda” (2Ts 2,8). Afirma ainda que, a vinda do Iníquo se dará pela ação do satanás, com toda espécie de milagres e sinais e prodígios enganadores” (2Ts 2,9).
Bem, num contexto totalmente diverso, encontramos menções sobre essa figura nos escritos de João: “Ouvistes dizer que o Anticristo virá. Com efeito, muitos anticristos já se apresentaram” (1Jo 2,18). O Anticristo é aquele que nega o Cristo e ignora a verdade (1Jo 2, 21-23).

Como entender o Anticristo nas realidades atuais?

Tanto em São Paulo quanto em São João encontramos situações específicas que recordam uma figura comum, o Anticristo. Em São Paulo alguém que é instrumento de Satanás; em São João nega o Cristo e promove a mentira.
Não tão diferente dos dois casos, tudo o que atrapalha nosso caminho de salvação é instrumento de satanás. Não temos substrato suficiente para identificarmos o Anticristo como uma figura histórica. Mas, podemos identificá-lo com um conjunto de ideias que tem a intenção de minar a  em Jesus Cristo, com o objetivo de superar ou minar o Reino de Deus.
Porém, o que nos move é a certeza de que: Jesus, quando vier em sua glória, exterminará o mal com o sopro de sua boca (cf. Ts 2,8). Então, não tenha medo de testemunhar Jesus com a Palavra e a com vida neste mundo, pois vale a pena.
Deus abençoe você!
Original:


Padre Edison de Oliveira

Padre Edison de Oliveira é membro da Comunidade Canção Nova,

 formado em Filosofia e Teologia, ordenado em 28 de agosto de 2016

 na Diocese de Lorena-SP.

Decidir-se pelo Senhor

Fonte: Canção Nova
Monsenhor Jonas Abib

Não dá para ser seguidor de Jesus e infiel a Ele

Jesus avistou Mateus e o chamou: “Vem e segue-me”. Hoje, Jesus continua a nos chamar. Chama a mim e a você. Chama toda a sua família. O Senhor nosso Deus quer de nós uma decisão: a quem nós queremos seguir? A quem você está servindo?
Deus está nos dando a graça de escolhermos por Ele. Quando o Senhor nos aperta e nos leva a tomar uma decisão, Ele não está querendo o nosso mal. Ao contrário: só quer o nosso bem. Deus dá a cada pessoa a oportunidade de fazer a sua opção. O Senhor não tem medo de ficar apenas com um “pequeno resto”.
Não dá para ser seguidor de Jesus e infiel a Ele. O Senhor corrige aqueles a quem Ele ama. O Senhor nos quer inteiramente para Ele. Quer ser Deus em nossa vida. Faça a sua escolha. Eu já fiz a minha: eu e a Canção Nova serviremos ao Senhor.

Seu irmão,
Monsenhor Jonas Abib
Fundador da Comunidade Canção Nova

Sementes de Fé - 20/11/2018 - Catecismo da Igreja Católica - Batismo

Catecismo da Igreja Católica - Batismo
 "A Santíssima Trindade vive na alma em graça."
Santa Theresa dos Andes


Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil

sábado, 17 de novembro de 2018

Sementes de Fé - 17/11/2018


 "Portanto a Palavra desceu, a fim de que a terra, que antes era um deserto, produzisse os seus frutos para nós."
Santo Ambrósio


Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil

10 Conselhos para manter um relacionamento - Padre Chrystian Shankar


sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Sementes de Fé - 16/11/2018

Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Sementes de Fé - 15/11/2018


Escritos Espirituais
"A fé no grande amor de Deus, dispõe a alma a ser cheia de toda a plenitude de Deus"
Beata Elizabete da Trindade


"O amor é a força mais poderosa que existe."
Santa Teresa de Calcutá


Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Sementes de fé - 14/11/2018 - Documentos da Igreja Inimigos da Santidade

Documentos da Igreja - Inimigos da Santidade


"Nosso caminho para a santidade deve ser esse: andar junto com a vontade de Deus."
Santo Afonso Maria de Ligório

Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil

terça-feira, 13 de novembro de 2018

Sementes de Fé - 13/11/2018

Catecismo da Igreja Católica - Creio em Deus 

"Fé é acreditar no que você não Vê; a recompensa desta fé é ver o que você acredita."
Santo Agostinho

Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil

sábado, 10 de novembro de 2018

Sementes de Fé - 10/11/2018 - liturgia da Santa Missa - Coleta

Liturgia da Santa Missa - Coleta
"Corre no caminho da Perfeição quem possui o coração dilatado na confiança em Deus." Santo Afonso Maria de Ligório
Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil

São Leão Magno, um dos maiores Papas da história

São Leão Magno, evangelizou e governou a Igreja numa época brusca do Império Romano

O santo de hoje mostrou-se digno de receber o título de “Magno”, que significa Grande, isto porque é considerado um dos maiores Papas da história da Igreja, grande no trabalho e na santidade. São Leão Magno nasceu em Toscana (Itália) no ano de 395 e depois de entrar jovem no seminário, serviu a diocese num sacerdócio santo e prestativo.
Ao ser eleito Papa, em 440, teve que evangelizar e governar a Igreja numa época brusca do Império Romano, pois já sofria com as heresias e invasões dos povos bárbaros, com suas violentas invasões. São Leão enfrentou e condenou o veneno de várias mentiras doutrinais, porém, combateu com intenso fervor o monofisismo que defendia, mentirosamente, ter Jesus Cristo uma só natureza e não a Divina e a humana em uma só pessoa como é a verdade. O Concílio de Calcedônia foi o triunfo da doutrina e da autoridade do grande Pontífice. Os 500 Bispos que o Imperador convocara, para resolverem sobra a questão do monofisismo, limitaram-se a ler a carta papal, exclamando ao mesmo tempo: “Roma falou por meio de Leão, a causa está decidida; causa finita est”.
Quanto à dimensão social, Leão foi crescendo, já que com a vitória dos desordeiros bárbaros sobre as forças do Império Romano, a última esperança era o eloquente e santo Doutor da Igreja, que conseguiu salvar da destruição, a Itália, Roma e muitas pessoas. Átila ultrapassara os Alpes e entrara na Itália. O Imperador fugia e os generais romanos escondiam-se. O Papa era a única força capaz de impedir a ruína universal. São Leão sai ao encontro do conquistador bárbaro, acampado às portas de Mântua. É certo que o bárbaro abrandou-se ao ver diante de si, em atitude de suplicante, o Pontífice dos cristãos e retrocedeu com todo o seu exército.
Dentre tantas riquezas em obras e escritos, São Leão Magno deixou-nos este grito: “Toma consciência, ó cristão da tua dignidade, já que participas da natureza Divina”.
Entrou no Céu no ano de 461.
São Leão Magno, rogai por nós!

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Sementes de Fé - 09/11/2018 - Dedicação da Basílica de São João de Latrão

Dedicação da Basílica de São João de Latrão


"São necessários tijolos para construir uma igreja, mas é preciso uma alma para que esses "tijolos" tomem vida na vida dos cristãos, "pedras vivas" chamadas ao dever da coerência."
Papa Francisco
"A Igreja é, por conseguinte, inseparavelmente humana e divina."
São Josemaria Escrivá



Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Sementes de Fé - 08/11/2018

 "Tudo está em confiar totalmente no Coração de Jesus e abandonar-se amorosamente em suas mãos." Beata Maria Maravilhas de Jesus

Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil

terça-feira, 6 de novembro de 2018

Sementes de Fé - 06/11/2018 - A FÉ

Catecismo da Igreja Católica -  A fé

"Tenha sempre uma fé inquebrável no amor. Se tens que sofrer, prova é de que o Senhor te ama com predileção."
Beata Elizabete da Trindade


Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

São Zacarias e Santa Isabel, os pais de João Batista

São Zacarias e Santa Isabel, tiveram na Palavra de Deus o principal testemunho de sua santidade

Pelo próprio relato bíblico descobrimos que viviam na aldeia de Ain-Karim e que tinham laços de parentesco com a Sagrada Família de Nazaré.
“Havia no tempo de Herodes, rei da Judéia, um sacerdote chamado Zacarias, da classe de Ábias; a sua mulher pertencia à descendência de Aarão e se chamava Isabel” (Lc 1, 6).
Conta-nos o evangelista São Lucas que eram anciãos e não tinham filhos, o que acabava sendo vergonhoso e quase um castigo divino para a sociedade da época. Sendo assim recorreram à força da oração, por isso conseguiram a graça que superou as expectativas. Anunciado pelo Anjo Gabriel e assistido por Nossa Senhora nasceu João Batista; um menino com papel singular na História da Salvação da humanidade: “pois ele será grande perante o Senhor…e será repleto do Espírito Santo desde o seio de sua mãe (Santa Isabel). Ele reconduzirá muitos dos filhos de Israel ao Senhor seu Deus” (Lc1, 15s).
Depois do Salmo profético de São Zacarias, onde ele, repleto do Espírito Santo, profetizou a missão do filho, perdemos o contato com a vida do casal, que sem dúvida permaneceram fiéis ao Senhor até o fim de suas vidas. Assim, a Igreja, tanto do Oriente quanto do Ocidente, reconhecem o exemplo deste casal para todos os casais, já que “ambos eram justos diante de Deus e cumpriram todos os mandamentos e observâncias do Senhor” (Lc 1, 6).
São Zacarias e Santa Isabel, rogai por nós!
Fonte: https://santo.cancaonova.com/

domingo, 4 de novembro de 2018

Sementes de Fé - 04/11/2018 - Bem aventuranças

As bem aventuranças

"Os ingredientes para a vida feliz se chamam bem-aventuranças."
Papa Francisco

Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil

sábado, 3 de novembro de 2018

Sementes de Fé - 03/11/2018 - Santa Missa - A coleta

Santa Missa - a Coleta

"Para que nossa oracao seja ouvida não depende da quantidade de palavras, mas do fervor de nossas almas"
São João Maria Vianney

Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

Sementes de Fé - 02/11/2018

"Uma flor em sua tumba murcha, uma lágrima se evapora, só a oração chega ao trono de Deus."
Santo Agostinho

Monsenhor Antônio José de Moraes
Pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Brasil

Comemoração dos Fiéis Defuntos

Hoje não é dia de tristezas e lamúrias, e sim de transformar nossas saudades em forças de intercessão pelos fiéis defuntos

Neste dia ressoa em toda a Igreja o conselho de São Paulo para as primeiras comunidades cristãs: “Não queremos, irmãos, deixar-vos na ignorância a respeito dos mortos, para que não vos entristeçais como os outros que não tem esperança” ( 1 Tes 4, 13).
Sendo assim, hoje não é dia de tristezas e lamúrias, e sim de transformar nossas saudades, e até as lágrimas, em forças de intercessão pelos fiéis que, se estiverem no Purgatório, contam com nossas orações.
O convite à oração feito por nossa Mãe Igreja fundamenta-se na realidade da “comunhão dos santos”, onde pela solidariedade espiritual dos que estão inseridos no Corpo Místico, pelo Sacramento do Batismo, são oferecidas preces, sacrifícios e Missas pelas almas do Purgatório. No Oriente, a Igreja Bizantina fixou um sábado especial para orações pelos defuntos, enquanto no Ocidente as orações pelos defuntos eram quase geral nos mosteiros do século VII; sendo que a partir do Abade de Cluny, Santo Odilon, aos poucos o costume se espalhou para o Cristianismo, até ser tornado oficial e universal para a Igreja, através do Papa Bento XV em 1915, pois visava os mortos da guerra, doentes e pobres.
A Palavra do Senhor confirma esta Tradição pois “santo e piedoso o seu pensamento; e foi essa a razão por que mandou que se celebrasse pelos mortos um sacrifício expiatório, para que fossem absolvidos de seu pecado” (2 Mc 2, 45). Assim é salutar lembrarmos neste dia, que “a Igreja denomina Purgatório esta purificação final dos eleitos, que é completamente distinta do castigo dos condenados” (Catecismo da Igreja Católica).
Portanto, a alma que morreu na graça e na amizade de Deus, porém necessitando de purificação, assemelha-se a um aventureiro caminhando num deserto sob um sol escaldante, onde o calor é sufocante, com pouca água; porém enxerga para além do deserto, a montanha onde se encontra o tesouro, a montanha onde sopram brisas frescas e onde poderá descansar eternamente; ou seja, “o Céu não tem portas” (Santa Catarina de Gênova), mas sim uma providencial ‘antessala’.
“Ó meu Jesus perdoai-nos, livrai-nos do fogo do Inferno. Levai as almas todas para o Céu e socorrei principalmente as que mais precisarem! Amém!”
Fonte: https://santo.cancaonova.com

Compartilhe



Postagens populares

Google Plus


Google+
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...